Sábado, 25 de Novembro de 2017
Página Principal
Quem Somos
Novidades
Actividades Realizadas
Biblioteca
Recursos
Alunos
Bolsas
O Caminho de Santiago
Ligações
Contactos
 


Caminhos Portugueses de Peregrinação a Santiago de Compostela

Introdução | História do Caminho | Os Caminhos | Albergues | Guias do Caminho
Associações do Caminho Português | Internet | Certificados | Mapas e Sinalização

Os Caminhos

O Caminho de Santiago tem sete rotas históricas: o Caminho Francês, o Caminho do Norte, a Vía de la Plata, a Rota Marítimo fluvial, o Caminho Inglês, o Caminho Primitivo e o Caminho Português. Para alem destas rotas existe ainda o Caminho de Finisterra que faz a ligação entre a cidade de Santiago e Finisterra.

Os Caminho Francês e Aragonês entram em Espanha nos Pirinéus e cruzam o norte de Espanha passando por Pamplona, Burgos e León;

O Caminho do Norte entra em Espanha em Irún no país Basco e traça um percurso paralelo ao Caminho Francês mas pela costa passando por San Sebastian e Santander ;
O Caminho Primitivo é provavelmente o primeiro Caminho Jacobeu sai de León e sobe para Oviedo passando entre o Caminho do Norte e o Caminho Francês.

A Vía de la Plata também chamada de Caminho do Sudoeste ou Caminho Leonês sai de Sevilha e traça uma linha vertical paralela a Portugal. Antes de chegar a Zamora existem duas alternativas, uma primeira contorna o nosso país, e uma segunda entra em Portugal em Alcanices, passa por Bragança e junta-se de novo ao Caminho Leonês em Ourense;

A Rota Marítimo fluvial entra em Espanha pela Ria de Arousa e pelo Rio Ulla. Em Padrón junta-se ao Caminho Português. Esta rota pretende recriar a viagem feita pelos discípulos até Santiago com o corpo do apóstolo depois do seu martírio;

O Caminho Inglês entra em Espanha por mar nos portos de Ferrol ou de A Coruña e segue numa linha vertical para Santiago;


Os Caminhos Portugueses:

Um pouco de História

Santiago de Compostela é por excelência o padroeiro da Península Ibérica, pois segundo a lenda católica foi o apóstolo que procedeu à sua evangelização. Os nossos monarcas demonstraram também uma devoção pelo santo, D. Afonso II peregrinou a Compostela em 1220 e em 1225 foi a vez da Rainha Santa Isabel. A ordem Militar de Santiago, criada para combater os muçulmanos, foi fundada em 1170 pelo rei Fernando II (de Castela) e foi introduzida em Portugal aproximadamente no ano de 1172. Santiago foi protector do exército português até à crise de 1383-1385, altura em que foi substituído por São Jorge, por influência Inglesa, e pela necessidade de chamar por um santo diferente dos partidários de Castela.

Apesar desta mudança de patrono, o culto de Santiago não desapareceu. A prová-lo estão as inúmeras misericórdias, albergarias, hospitais, igrejas e ermidas dedicadas ao Apóstolo Santiago espalhadas pelo país. As próprias lendas jacobeias estão intimamente ligadas ao nosso país – por exemplo a lenda dos Galos em Santo Domingo de la Calzada e a lenda do Galo de Barcelos contam a mesma história.

A palavra Peregrino vem do Latim peregrinus estrangeiro, de per + agr-, (ager campo), literalmente pelo campo, o que era bastante comum – cortar Caminho pelos campos para evitar encontros indesejáveis com bandidos e salteadores.

O Traçado

Em rigor não podemos, pois, apontar apenas um Caminho Português, antes da marcação do Caminho pelas várias associações e entidades competentes – o que só começou a acontecer nos últimos anos: não havia nem início, nem um percurso definido. Não é a nossa intenção indicar o “verdadeiro Caminho” porque ele, como já referimos, em rigor não existe. Por isso, se apresentam os percursos identificados como os mais seguidos (marcados ou em processo de marcação). Há vários relatos de peregrinos que viajaram para Santiago do sul do nosso país, mas ainda não foi feito o levantamento de nenhum percurso a Sul de Lisboa embora saibamos que existiam. (conferir mapa)

A partir de Lisboa podemos falar de dois grandes Caminhos que atravessam o país de Sul a Norte, um na costa e um no interior. De Lisboa seguem em direcção a Coimbra (existem duas variantes por Tomar – que corresponde, até Santarém ao Caminho do Tejo - ou por Leiria). Em Coimbra existem também duas alternativas, pelo interior (por Viseu e Chaves que sai de Portugal em Feces de Abaixo e se junta à Via da Prata em Verin), ou pela costa (em direcção ao Porto). No Porto temos opção entre Barcelos e Braga. Em Braga segue para Ponte de Lima ou para a Portela do Homem, em Barcelos segue para Viana do Castelo ou para Ponte de Lima. De Ponte de Lima segue para Ponte da Barca e Vilarinho das Furnas ou para Valença. Existe ainda uma outra alternativa entre Caminha e Vila Nova de Cerveira.

A sinalização do Caminho é feita com setas amarelas e placas de identificação (não confundir com as setas azuis que marcam o Caminho de Fátima).

A via da Prata passa também por Portugal mas não podemos considerar o Caminho Leonês como um Caminho Português embora fosse também utilizado por peregrinos portugueses que moravam nas imediações do Caminho.

Voltar                            Avançar

 

COPYRIGHT © 2004/2005 ANA MENDES / CEG
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS – SOLICITE PERMISSÃO PARA REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL.

© 2017 Centro de Estudos Galegos / UNL | Optimizado para Internet Explorer 5 com uma resolução de 800x600